Ministro de Lula: ‘Moro e Dallagnol comandaram uma organização criminosa’


10/06/2023 22h48 | Por: Redação/fonte Estado de Minas

Ministro Paulo Pimenta disse que a Operação Lava-Jato foi uma “quadrilha de bandidos de togas”. Ele também comentou as mensagens trocadas entre Moro e Dallagnol.

O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social (Secom), Paulo Pimenta, disse que o ex-juiz federal, hoje senador, Sergio Moro (União-PR) e o ex-procurador Deltan Dallagnol (Podemos-PR) “comandaram uma sofisticada organização criminosa”. A fala do ministro se refere à atuação de Moro e Dallagnol durante Operação Lava-Jato.

Em redes sociais, na noite dessa sexta-feira (9/6), Paulo Pimenta comentou as mensagens trocadas entre o ex-juiz federal e o ex-procurador durante a operação que foram vazadas pelo site The Intercept Brasil, em 2019, e deram origem a Operação Spoofing. 

“Cada vez que mais conversas da Vaza Jato são divulgadas aumenta minha perplexidade e minha indignação de como o Brasil foi capturado por essa quadrilha de bandidos de togas. Moro e Deltan comandaram uma sofisticada organização criminosa com ramificações em vários setores do aparato do Estado brasileiro”, comentou o ministro.

“Uma perigosa organização que nunca mediu limites e jamais teve escrúpulos para alcançar seu projeto de poder. Que todos sejam identificados e respondam exemplarmente pelos crimes cometidos contra a democracia. Nenhum tipo de impunidade pode ser tolerada contra esse bando e seus cúmplices!”, continuou.

Nessa sexta-feira, o Corregedor Nacional de Justiça, Luis Felipe Salomão, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) o compartilhamento das provas da ‘Vaza Jato’ – as mensagens hackeadas.

O objetivo é usar o material em uma inspeção que a Corregedoria Nacional de Justiça (CNJ) está fazendo na 13ª Vara Federal de Curitiba e no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), responsáveis pelos processos da Lava-Jato. 

Leia: Valdemar sobre Dallagnol e Moro: ‘ultrapassaram os limites da lei’

Moro x Dallagnol

Dallagnol e Moro são amigos de longa data. Eles atuaram juntos no âmbito da Operação Lava-Jato. O senador como juiz federal e o deputado federal como procurador, sendo coordenador da operação.

Em 2019, o site The Intercept Brasil divulgou uma série de mensagens trocadas, por meio do aplicativo Telegram, entre eles, sobre procedimentos e decisões em processos, incluindo os que levaram à condenação do presidente Lula (PT).

 Recentemente, Moro e Dallagnol foram acusados de tentativa de extorsão pelo advogado Rodrigo Tacla Duran durante a Operação Lava-Jato. Duran disse que foi “alvo” da operação por não ter aceitado ser “extorquido”.

De acordo com as denúncias do advogado, advogados ligados à Lava-Jato pediram a ele US$ 5 milhões para que não fosse preso no pela operação. O STF vai apurar o caso. 

Além disso, o ex-deputado estadual pelo Paraná, Tony Garcia, afirmou que trabalhou em “parceria” com o Ministério Público Federal, mas teve suas contribuições arquivadas.

Segundo o ex-parlamentar, ele foi delator da Lava-Jato e pivô das denúncias que levaram à prisão o ex-governador paranaense, Beto Richa, e trabalhou em parceria com Moro para obter informações que pudessem comprometer parlamentares do Partido dos Trabalhadores (PT).


Veja também

2º Nivelamento Interfederativo para Guarda Municipais
SSP promove 2º Nivelamento Interfederativo para Guarda Municipais
Governo do Estado autoriza compra de Veículos Blindados Táticos para Polícias Militar e Civil
Governo do Estado autoriza compra de Veículos Blindados Táticos para Polícias Militar e Civil